Áreas de Atuação

Com as mudanças recentes na CLT, inúmeras profissões sofreram mudanças impactantes, especialmente a do entregador (também conhecido como motoboy). Aliado a isso, a tecnologia dos tempos atuais permitiu maior facilidade por meio de aplicativos de entrega, tanto para o consumidor, o restaurante e o entregador motoboy. Porém, teria o entregador de aplicativo direito a vínculo trabalhista? O entregador pode estar se perguntado: tenho direito a vínculo com o aplicativo que uso para fazer entregar?

Devido à pandemia do novo Coronavírus (conhecido como COVID-19), inúmeras empresas em Curitiba e Brasil a fora vem respeitando as medidas de prevenção e segurança para que seja diminuído o contágio de seus empregados. Mas, tem o empregado direito a receber adicional de insalubridade por trabalhar durante a pandemia do coronavírus?

Esse valor a priori não é quantificável mas caberá ao advogado trabalhista verificar quais verbas foram pagas e quais de fato não foram pagas.

As provas são indispensáveis ao serviço do advogado trabalhista.

Para o processo do trabalho não é possível ter êxito nos pedidos apenas na narrativa e no direito, é necessário a apresentação de provas. É com a utilização das provas que o advogado trabalhista poderá elaborar a defesa ou reclamatória.

O Advogado trabalhista não se baseia apenas em argumentos para “convencer” o juiz, antes de qualquer defesa ou reclamatória trabalhista é realizada uma análise minuciosa dos fatos, provas e o direito que será alegado.

Com a pandemia do coronavírus (COVID-19), inúmeras empresas sentiram um forte impacto devido à quarentena imposta, resultando em uma forte diminuição de novos negócios. Devido a isso, foi editada a Medida Provisória 927/20 (MP 927/20), a qual estabeleceu diversas possibilidades a fim de diminuir os prejuízos sofridos pelo empregador e garantir alguns direitos do empregado, como a suspensão do contrato de trabalho e a diminuição da carga horária e do salário. Questões essas que um advogado trabalhista em Curitiba deve lhe auxiliar em buscar a melhor resposta.

Porém, inúmeros patrões vem realizando a rescisão dos contratos de trabalho? Pode ser o funcionário ser mandado embora durante a pandemia do coronavírus? Pode o empregador alegar motivo de força maior para mandar embora o funcionário?